O desmame é reconhecidamente uma das etapas mais desafiadoras do suíno durante sua vida. O estresse do leitão nesta fase promove diversas modificações no seu organismo e frequentemente distúrbios entéricos devido à imaturidade do trato gastrointestinal com a troca do alimento líquido para o sólido. São comuns como consequências destes distúrbios entéricos a baixa ingestão de alimentos e nutrientes, com efeitos diretos na taxa de crescimento. Após o desmame o leitão precisa adaptar seu comportamento de alimentação muito rapidamente em seu novo ambiente, ocasionando uma importante redução na ingestão de matéria seca. A taxa de crescimento pode estar sendo prejudicada até o final do desmame devido à demanda nutricional para o crescimento ser superior aos níveis nutricionais obtidos pelo leite da porca. O objetivo é proporcionar aos leitões uma transição segura entre a dieta líquida do leite da porca à ração sólida após o desmame, minimizando possíveis perdas na taxa de crescimento.

Além disso, o volume de produção de leite já não atende ao consumo diário de leitegadas numerosas mesmo em períodos de lactação mais curtos. Na lactação a ingestão potencial de leite pelos leitões começa a exceder a produção da porca, de forma que o crescimento dos leitões começa a cair abaixo de seu potencial (Harrell et al., 1993). Vários trabalhos demonstraram crescimento compensatório em leitões, como Campbell e Dunkin (1983), que demonstraram essa compensação em leitões jovens privados de proteína ou energia, mesmo quando receberam quantidades fixas de alimento. Como se sabe o leite de porca é deficiente em proteína para o ganho de peso desejado desde as primeiras semanas de vida do leitão, portanto, o leite desnatado com alto teor de proteína pode ser suplemento ao leite de porca para os leitões lactentes de alta performance.

A importância da taxa de crescimento nas primeiras semanas de vida do leitão e logo após o desmame na determinação do seu ganho de peso nas fases seguintes de crescimento e terminação foi demonstrada por Pollman (1993), onde os leitões que mantiveram o peso durante a primeira semana após o desmame atingiram o peso de abate em 178 dias, sendo que os leitões que obtiveram ganho de peso da ordem de 115 gramas por dia na primeira semana, reduziram a idade de abate em 15 dias. O resultado prático desta comparação é que o peso ganho na primeira semana pós-desmame pode representar até dez vezes mais esse peso na fase de terminação.

O trato gastrointestinal representa uma das principais vias de entrada para antígenos invasores e contém uma importante porção de tecido linfoide do organismo. Os antígenos que comumente estão presentes a partir do intestino são as proteínas alimentares, microbiota intestinal comensal e patógenos invasores. O epitélio da mucosa intestinal atua como uma barreira física para patógenos. Distúrbios nesta barreira no intestino, caracterizadas por aumento da permeabilidade intestinal, irão resultar em transporte de bactérias, toxinas e antígenos presentes no lúmen intestinal para o tecido sub-epitelial e afetar a absorção de nutrientes. Por isso, a integridade da barreira da mucosa intestinal é muito importante na função de garantir a adequada absorção dos nutrientes da dieta e prevenir distúrbios do trato digestivo.

Além disso, o trato gastrointestinal tem como função primordial a transformação dos alimentos ingeridos em nutrientes absorvíveis pelo organismo animal. As microvilosidades intestinais promovem o aumento substancial da superfície de absorção dos nutrientes à nível intestinal. A redução na altura das vilosidades diminue a capacidade de absorção permitindo que muitos nutrientes oriundos do processo digestório sejam carreados ao intestino grosso, desenvolvendo uma microbiota intestinal inadequada e que pode resultar em doença entérica.

Portanto, as atenções nesta fase vital para o desempenho futuro do leitão precisam estar focadas na qualidade e digestibilidade dos ingredientes utilizados nas dietas de transição do período pós-desmame. A composição correta de ingredientes de alta digestibilidade, aliados à apresentação física atrativa, de fácil ingestão, com níveis nutricionais que atendem a demanda de crescimento do leitão desde os primeiros dias pós-desmame, é a chave do sucesso para o melhor desempenho nas fases seguintes e a expressão do seu potencial de crescimento.

Autor: Lisandro A. Haupenthal
Médico Veterinário, MSc
Gerente Nutrição Suínos – Vaccinar Nutrição Animal

Release de Imprensa

Preencha os dados abaixo e anexe seu currículo