Particularidades de exigências de ambiência dos suínos em suas diferentes fases de produção
Dr. Alexandre Alves Martins – Médico Veterinário – Assessor Técnico Vaccinar – Suínos

Fisiologicamente, o suíno é um animal que possui um aparelho termorregulador pouco desenvolvido, portanto isso o faz muito sensível ao calor principalmente na fase adulta. Com o avançar da idade, a sensibilidade ao calor aumenta, devido maior deposição de gordura subcutânea e menor área de contato com o ambiente, o que aumenta o isolamento do animal com o ambiente externo, dificultando a perda de calor. A utilização de linhagens melhoradas para maior deposição de carne vem a agravar este problema, visto que a deposição de tecido magro está associada ao aumento da produção de calor pelo animal, o que torna animais melhorados mais sensíveis ao problema de altas temperaturas.

A termorregulação dos suínos, frente à temperatura ambiental, pode ocorrer através de dois tipos de transferência de calor: sensível e latente. Na troca de calor sensível existem três modos: condução – suíno em contato com piso frio perderá calor para o piso; convecção – suíno sob corrente de ar mais fria do que seu corpo perderá calor para o ar; radiação – suínos ganham calor quando estão expostos sob lâmpadas infravermelhas. Na troca de calor latente prevalece a evaporação, que ocorre por meio da respiração.

Uma vez mantidos em zona de termoneutralidade, os suínos conseguem manter a baixa alteração de temperatura, através da dissipação de calor por trocas sensíveis, com um mínimo custo metabólico, retendo energia e nutrientes para o seu desenvolvimento. Já em uma temperatura efetiva abaixo dos limites críticos, o suíno passa a aumentar o metabolismo corporal, utilizando as reservas corporais e ingestão de energia para a produção de calor, ou seja, nesse momento a prioridade é a homeotermia e a preservação da vida, ao invés do crescimento. No entanto, se a temperatura ambiental chegar acima do limite da produção de calor, o animal vai a óbito por hipotermia.

Como todo ser vivo, os suínos vivem em um ambiente constituído pelo conjunto de condições naturais e artificiais, que exerce influência direta e indireta na adaptação dos animais. As condições climáticas é um dos fatores mais importantes que atuam sobre eles. Os componentes climáticos condicionam as funções orgânicas envolvidas na manutenção do sistema termorregulador das espécies. Por isso insere-se a bioclimatologia, na qual estuda as relações entre os animais e o clima, abrangendo o conhecimento das respostas fisiológicas e comportamentais dos animais, visando sempre à garantia do bem-estar animal e aumento de sua produtividade.

Diante destas características fisiológicas, alinhado ao clima tropical predominante no Brasil, se torna cada vez mais indispensável o uso de novas tecnologias para modernização da suinocultura, a fim de alcançarmos bons índices zootécnicos e, em consequência, resultados econômicos satisfatórios.

Existem muitos fatores variáveis que compõe um ambiente em que os suínos vivem, sejam fatores externos e principalmente o microclima no interior das instalações. Uma vez que estes não apresentem condições favoráveis de termoneutralidade, a produção de suínos será afetada com redução na produtividade.

Contudo, é indispensável pensar e planejar as instalações considerando o clima da região, dimensionamento de instalações e tecnologia a ser aplicada, se ventilação natural ou artificial, uso de exaustores e tipo de piso.

Este planejamento precisa ser focado em reduzir o estresse calórico dos animais, e melhorar assim o condicionamento dos mesmos. A baixa qualidade do ar, o isolamento social ou alta densidade, o confinamento intensivo, presença de animais dominantes em grupos, ambiente monótono, são alguns fatores que causam estresse e que alteram o comportamento natural dos animais reduzindo significativamente seu desempenho zootécnico.

GESTAÇÃO:
Os efeitos da temperatura ambiental sobre a vida reprodutiva dos suínos são mais destacados do que seu efeito sobre o ganho de peso, podendo afetar a reprodução em várias fases do ciclo reprodutivo, que vai desde o desenvolvimento da puberdade até a primeira concepção, tais como atraso no início do período reprodutivo ou condição corporal deficiente no início da vida reprodutiva. Em condições de estresse térmico, é possível relacionarmos efeitos negativos como: redução na taxa de ovulação, aumento da mortalidade embrionária, diminuição da implantação de embriões no início da gestação, diminuição do comportamento sexual, produção deficiente ou anormal de espermatozoides e produção de leitegadas fracas ou inviáveis. Fêmeas em estresse térmico por temperatura ambiente acima dos limites críticos, são extremamente afetadas, com considerável queda de índices reprodutivos.

Na produção de suínos, principalmente para a fase gestante, muitos estudos foram desenvolvidos a fim de buscar uma melhor eficiência na redução do impacto do estresse térmico em que as fêmeas são submetidas na maioria dos sistemas de criação, contudo poucas se mostraram totalmente eficazes quando comparado à galpões com temperatura controlada em sistemas de ventilação e pressão negativa.

Das estratégias, podemos citar o uso de artifícios para redução de temperatura do galpão e por consequência dos animais, como: ventiladores, sistema de resfriamento evaporativo, resfriamento de solo, resfriamento por gotejamento; e estratégias nutricionais, como dietas com baixa proteína bruta (PB), a fim de diminuir a produção de calor e reduzir o efeito da temperatura elevada no consumo de ração. Temperaturas altas tendem a aumentar a frequência de ciclos estrais prolongados, ocorrendo uma queda na porcentagem de partos e redução do número de animais por leitegada, bem como afetar a implantação dos embriões e diminuir sobrevivência embrionária.

Contudo é de estrema importância o controle de temperatura e ambiência neste setor a fim de buscarmos o máximo desempenho reprodutivo das fêmeas.

MATERNIDADE:
No setor de maternidade, temos um desafio ainda maior para oferecer melhor conforto térmico aos animais, pois temos categorias distintas que demandam zonas de conforto térmico também distintos, que são as matrizes e os leitões.

Portanto, se faz necessário, que nas condições climáticas do Brasil, busquemos a utilização de sistemas de resfriamento do ambiente para a matriz, e sistemas de aquecimento para os leitões.

Considerando esta diferença de zona de conforto térmico entre as categorias, os galpões devem conferir clima adequado para as porcas. Sabemos que em temperaturas quentes as fêmeas tendem a manifestar considerável redução no consumo, e consequentemente isso leva a redução na produção de leite, fato este que mostra correlação direta entre o desempenho dos leitões lactentes e o ambiente em que as porcas vivem.

Os leitões por sua vez, ao nascer possui pouca reserva energética, e nascem com o sistema termorregulador subdesenvolvido, deixando-os mais vulneráveis às variações de temperatura, principalmente ao frio. Sendo assim, uma vez expostos a ambientes mais frios são menos ativos, mamam menos colostro e, por fim, são mais susceptíveis a infecções, o que resulta em baixo desenvolvimento e até mortes, tanto por esmagamento, ao buscar calor com a proximidade da mãe, como por infecções.

O uso de escamoteadores, com fonte de aquecimento (lâmpadas ou aquecedores), uma vez sendo manejados de forma correta (limpeza e temperatura) é a forma mais eficaz de se ofertar uma zona de conforto térmica adequada aos leitões.

Para os galpões, existem diferentes sistemas utilizados para ofertar o conforto térmico, dos quais podemos citar: sistemas de ventilação natural (lanternim), ventilação forçada de pressão positiva (ventiladores), ventilação forçada de pressão negativa (exaustores), resfriamento axial do ar (ar refrigerado sobre a cabeça das matrizes) e resfriamento evaporativo por sistema de nebulização (com ventilação natural ou mecânica).

CRECHE:
Para os leitões, o período pós-desmame é o momento de maior desafio e estresse a que são submetidos, pois além da separação da mãe, existem outros fatores estressantes aos animais como: população (mistura com demais indivíduos), mudança nutricional (alimentação líquida – leite > alimentação sólida – ração), mudança de ambiente (maternidade para creche); adaptação à bebedouros e comedouros, além do desenvolvimento fisiológico natural. Portanto, é essencial que o ambiente seja o mais favorável possível.

Naturalmente, os leitões tendem a demorar até uma semana para adaptação às novas condições, contudo, é essencial para o sucesso na fase, ofertar condições favoráveis, e principalmente temperatura adequada neste período, desta forma, espera-se menor intervalo de adaptação, e o quanto antes os leitões se adaptarem, menor será a perda de desempenho inicial e melhor o resultado final da fase.

Para regiões onde há predominância de clima quente, nem sempre se demanda a instalação de sistemas de aquecimento, contudo em épocas frias se faz extremamente útil sua utilização. Neste caso é importantíssimo o correto manejo com cortinas e renovação de ar no interior dos galpões, evitando a retenção de gás que leva a problemas respiratórios. Para regiões de predominância de clima frio, se faz extremamente necessário o uso de fontes de aquecimento. É importante buscarmos a zona de conforto térmico adequado à categoria e redução da amplitude térmica ao longo do dia, sejam por uso de campânulas, resistência elétrica, aquecimento de ar ou piso, etc.

O monitoramento e o correto manejo de temperatura das salas e controle da qualidade do ar, são pontos críticos da fase de creche, e de extrema importância, uma vez que leitões fora da zona de conforto térmico tendem a direcionar parte dos nutrientes absorvidos da dieta para manutenção de sua temperatura corporal, portanto, afeta diretamente seu crescimento. As correntes de ar sobre os leitões, seja por instalações inadequadas e ou falhas de manejo, fazem com que os leitões percam calor para o ambiente e aumente a sensação de frio, além de se tornar exposto à doenças respiratórias, no entanto se faz necessária a ventilação controlada para a troca de ar e redução de gases tóxicos e poeira ambiente, que só é possível por meio de instalações adequadas e manejo eficiente.

ENGORDA:
Suinos em fase de engorda e terminação, tem a zona de conforto térmico semelhantes as necessidades de animais adultos, ou seja, necessitam de temperaturas mais amenas para sua termoneutralidade. No Brasil é muito comum, devido a predominância por clima tropical observarmos o estresse calórico afetando diretamente a produção nesta fase.

Com a evolução genética e nutricional, o suíno é cada vez mais exigido para deposição de tecido magro, contudo essa evolução e adequação de suas exigências, acarretam também em aumento da produção de calor por processos metabólicos.

O comportamento alimentar dos suínos sofre influencia direta da temperatura a que estão submetidos, uma vez que em períodos de temperatura mais amena ao longo do dia, o consumo tende a ser maior, em contrapartida, animais e estresse por calor tendem a reduzir, ao longo do dia, o número de vezes de acesso ao comedouro, bem como o período de permanência, e como consequência tem-se uma redução no consumo diário de ração. Em razão deste fato, é esperado um aumento no custo de produção por atraso no desempenho dos animais e demanda por maior tempo de ocupação das instalações até que os animais cheguem ao peso ótimo de abate.

Para amenizar a interferência da temperatura nesta fase, é essencial que se faça o correto planejamento de construção, respeitando sempre a densidade das baias, necessidades fisiológicas dos animais, e características do microclima da região, disponibilidade de água, sentido dos galpões em relação ao sol e tipos de materiais, cobertura e piso, áreas de sombreamento adequadas, controle de ventilação natural ou artificial e sistemas de umidificação do ambiente.

CONCLUSÃO:
Como discutido, os suínos em suas diferentes fases de vida, possuem diferentes zonas de conforto térmico, e o desempenho produtivo e reprodutivo são diretamente afetados uma vez que o animal esteja em áreas fora da zona de termoneutralidade.

Com o avanço de novas tecnologias, a suinocultura brasileira tem evoluído constantemente nos últimos anos, com maior destaque no mercado internacional, contudo, para se manter nesta evolução, é fundamental maiores investimentos e repensar novos conceitos de instalações, equipamentos, planejamento e exigências dos animais, com o abjetivo de atender cada vez mais as normas de conforto e bem- estar animal.

Preencha os dados abaixo e anexe seu currículo