INTRODUÇÃO                                                                                                                                                                          

Nos últimos anos o mercado de nutrição animal foi afetado pelas oscilações nos custos das matérias-primas e até mesmo com a falta de certos ingredientes. Como os custos com a alimentação animal representam de 60 – 80% do total do custo de produção, há a necessidade de conhecer e utilizar diferentes matérias-primas nas formulações, sem que afete a digestibilidade e o desempenho zootécnico.

Nesse contexto, a energia é considerada um dos componentes mais onerosos da dieta, desta forma é importante ter disponíveis fontes de lipídeos com melhor custo-benefício e com boas características nutricionais. Um bom exemplo, seria o óleo ácido de soja, também conhecido como ácidos graxos da soja, um dos coprodutos provenientes da soja que, por sua vez, é um dos principais itens da produção agrícola, sendo o Brasil um dos maiores produtores desta leguminosa.

IMPORTÂNCIA DOS LIPÍDEOS E ÁCIDOS GRAXOS PARA MONOGÁSTRICOS

As linhagens modernas de alto desempenho apresentam elevada demanda energética, o que favorece a inclusão de óleos e gorduras às dietas. Ainda, estudos mostram que a suplementação de energia à alimentação é uma prática utilizada para melhorar o consumo e a densidade energética das rações, reduzir tanto a taxa de passagem do alimento no trato gastrointestinal como o incremento calórico e o estresse pelo calor, além de melhorar a conversão alimentar.

O óleo ácido de soja é uma matéria-prima rica em ácidos graxos como o ácido palmítico, ácido oleico, ácido linoleico e linolênico (Tabela 1), sendo os dois últimos essenciais para os animais e, dessa forma, não são sintetizados de maneira suficiente no organismo, o que torna necessária sua presença na dieta. Os ácidos linoleico e linolênico exercem funções importantes no metabolismo e a sua carência pode levar à perda da integridade de membranas, descamação da pele e problemas reprodutivos.

Tabela 1. Perfil de ácidos graxos do óleo ácido de soja (Energy óleo Vaccinar)

Histórico de Análises (71 amostras) do Energy óleo fabricado na planta da Vaccinar em Nova Ponte – MG.

BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DO ÓLEO ÁCIDO DE SOJA NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS

Estudos demonstraram que o consumo de ração, ganho de peso e conversão alimentar foram semelhantes entre frangos de corte alimentados com o óleo ácido de soja e com as demais fontes utilizadas, como o óleo de soja (Scheneider, 2012). Resultados semelhantes também foram observados por Vieira et al., (2002) quando avaliaram inclusões de 4% e 8% tanto do óleo de soja quanto do óleo ácido de soja.  Nas fases avaliadas (7-14, 14-21, 21-28, 28-35, 35-42 dias) não foram observadas diferenças estatísticas para consumo médio de ração, conversão alimentar e peso médio das aves.

Sob o ponto de vista nutricional, de acordo com Vieira et al. (2002), a maior incerteza relacionada ao óleo ácido de soja diz respeito ao seu valor energético. No entanto, estudos comparando diferentes fontes de gordura para  frangos na fase pré-inicial demonstraram que os valores de energia metabolizável do óleo de soja, óleo ácido de soja, óleo de vísceras foram similares (Scheneider, 2012), Gráfico 1.

Gráfico 1. Energia metabolizável (EM, kcal/kg) de diferentes fontes lipídicas para aves de 1 a 8 dias de idade.

                    a,b Médias na mesma coluna com letras distintas diferem pelo teste Tukey (p<0,05). Adaptado Scheneider (2012)

Quanto aos valores de energia metabolizável fornecidos pelo óleo ácido de soja, há diversos estudos que avaliaram e determinaram valores de 7.966 kcal/kg de EM para pintinhos de 1 a 8 dias (Scheneider, 2012). Já para pintinhos de 12 a 20 dias determinaram valores de 7.741,41 a 7.338 kcal/kg de EM (Gaiotto, et al., 2000; Freitas et al., 2005, respectivamente) e, para animais com mais de 28 dias, o valor determinado foi de 8.114 kcal/kg a 8.438 kcal/kg de EM (Vieira et al., 2002; Freitas et al., 2005, respectivamente), reforçando o grande potencial nutricional desse ingrediente.

Particularidade do óleo ácido de soja, Energy óleo Vaccinar e serviços

O Energy óleo é produzido na planta de Nova Ponte – MG, a qual detém a expertise na fabricação de gorduras, principalmente em função da equipe de produção e de qualidade dedicadas para fabricação de produtos padronizados e de alta qualidade, permitindo melhor atendimento ao cliente Vaccinar.

Além disso, a Vaccinar possui um departamento de Nutrição com profissionais altamente gabaritados que desenvolvem aditivos, premixes e rações, bem como dão suporte às formulações personalizadas para os clientes. Caso haja dúvida na utilização do Energy óleo ou qualquer produto da linha Vaccinar entre em contato com nosso Departamento Comercial, o qual irá direcionar para o Departamento Técnico.

Referências Bibliográficas: Disponíveis com o autor.

 

 Informativo Técnico: 001/22

Preencha os dados abaixo e anexe seu currículo